Navegaçãoo rápida por teclas de atalho.

Há 3 teclas de atalho codificadas em todas as páginas, as quais permitem saltar directamente para um dos 3 elementos seguintes. Caso o elemento não exista na página a tecla de atalho não estará disponí­vel.

APD no Facebook

Corpo da página (ALT + 2)
Prémio Dignitas 2012 - 5ª Edição
Entrada

O Hospital”, reportagem coletiva da SIC,

distinguida com Prémio Dignitas 2012

Prémio Dignitas Imprensa escrita: “Quando os gestos falam mais alto”, de Vânia Maia, Jornal de Letras

  • Prémio Dignitas Rádio: “Driblar a Exclusão”, de Teresa Dias Mendes, TSF
  • Prémio Dignitas Jornalismo Universitário: “O Mundo das mãos”, de Mafalda Pessanha, Escola Técnica Imagem e Comunicação 

Lisboa, 3 de maio de 2013 – A peça jornalística distinguida este ano com o Prémio Dignitas é dedicada ao tema “O Hospital”, uma candidatura coletiva da SIC representada pela jornalista Ana Sofia Fonseca. Na categoria Imprensa o trabalho vencedor é de Vânia Maia, jornalista no Jornal de Letras e é sobre “Quando os gestos falam mais alto”. Em Rádio a peça eleita pelo júri do Prémio Dignitas é “Driblar a Exclusão”, da responsabilidade de Teresa Dias Mendes, jornalista na TSF. Por sua vez, na categoria Jornalismo Universitário o trabalho distinguido é de Mafalda Pessanha “O Mundo das mãos”, aluna na Escola Técnica Imagem e Comunicação (ETIC).

No ano em que o Prémio Dignitas comemora a sua quinta edição, o júri decidiu atribuir duas Menções Honrosas. Uma Menção Honrosa na categoria Imprensa Escrita ao artigo “Braile. Na biblioteca Nacional”, da autoria de Joana Azevedo Viana, jornalista no Jornal I, e uma Menção Honrosa na categoria Televisão à reportagem “Caso de Discriminação com Deficiente”, de Susana Piteira André, jornalista na Sic.

“O Hospital”, de Ana Sofia Fonseca retrata uma viagem ao dia-a-dia do Centro de Reabilitação de Alcoitão, o hospital onde os doentes são utentes. Homens, mulheres, a esperança numa segunda vida. A batalha da igualdade. Testemunhos que quebram a distância entre esta realidade e o mundo cá fora. Para que ninguém feche os olhos.
Link: http://sicnoticias.sapo.pt/programas/omeupequenomundo/article1266396.ece 

“Quando os gestos falam mais alto”, de Vânia Maia, descreve os alunos surdos e ouvintes da Escola Básica Integrada da Quinta de Marrocos, em Benfica, que resolveram contar histórias por escrito e em língua gestual. Um desafio que os colocou no lugar do outro e esbateu as fronteiras do silêncio que separavam os dois lados da turma, ouvintes e surdos. O projeto motivacional da professora Isabel Amaral, que ensina Língua Portuguesa em Língua Gestual, resultou na edição de um livro feito por toda a turma.

“Driblar a Exclusão”, de Teresa Dias Mendes dá a conhecer a mais jovem equipa de basquetebol da Académica de Coimbra. A ideia partiu de um médico cardiologista, Dr. Lino Gonçalves, também responsável pela secção de basquetebol do clube. Habituado a acompanhar crianças com Trissomia 21, Lino Gonçalves propôs à Associação Olhar 21 que as crianças jogassem basquetebol, tentando ajudá-las a “driblar” a exclusão. Ao ritmo de cada uma, mas sem nunca dizer que não és capaz. A reportagem foi construída em torno de Carolina (18 anos) e Miguel (13 anos), ambos os mais velhos de três irmãos. Um ano depois de iniciado o projeto, a reportagem foi para o ar na TSF.
Link: http://www.tsf.pt/Programas/programa.aspx?content_id=917979&audio_id=2609177

“O Mundo das mãos” aborda a exclusão social, os obstáculos físicos, as barreiras culturais e o preconceito e a vergonha das cerca de 150 mil pessoas com deficiência visual que vivem em Portugal. “O Mundo das mãos” é um trabalho de Mafalda Pessanha feito no âmbito do Projeto Final de Rádio – Grande Reportagem Rádio, a cargo da Professora Ana Catarina Santos, na instituição de ensino ETIC, e cuja nota atribuída foi de 16 valores.

O trabalho icon Braille Na Biblioteca Nacional”, da autoria de Joana Azevedo Viana, distinguido com uma Menção Honrosa na categoria Imprensa Escrita fala sobre uma voluntária do Departamento de Cegos e Amblíopes da Biblioteca Nacional em Lisboa, que ajuda a produzir livros áudio para a população portuguesa com deficiência visual, sobre o custo e a importância do braille e, sobretudo, sobre o que é ser cego em Portugal. Este é o resultado de inúmeras conversas com Carlos Ferreira, cego de nascença e Diretor desse departamento. l

“Caso de Discriminação com Deficiente”, de Susana Piteira André foi também distinguida com uma Menção Honrosa na categoria Televisão. A reportagem retrata Daniel Santos, de 44 anos, portador de paralisia cerebral. A doença atingiu-lhe a mobilidade e a fala, mas poupou-lhe o pensamento e a memória, vive sozinho, mas é presença habitual em colóquios e conferências. Em janeiro de 2012, na sequência de um assalto, Daniel apresentou queixa e recebeu uma carta que o indignou. O Ministério Público comunicou-lhe que o processo tinha sido arquivado porque ele não tinha comparecido a fim de identificar a suspeita. A missiva surpreendeu-o uma vez que ninguém o tinha contactado para prestar declarações. Mas a carta continha uma incorreção ainda mais grave: dizia que a PSP o tinha referenciado como tendo “problemas psíquicos”. Daniel Santos sentiu-se descriminado e contestou a decisão. “A pessoa que me assaltou roubou-me 40 euros, mas eu acho que o ladrão me roubou menos do que a polícia. O tribunal tentou roubar-me a dignidade”.

 O Prémio Dignitas distingue os melhores trabalhos jornalísticos publicados ou difundidos nos órgãos de comunicação social portugueses, realizados por profissionais da comunicação social, subordinados ao tema da deficiência e que promovam a dignidade das pessoas com deficiência, os seus direitos humanos e a sua inclusão social.

 No ano em que o Prémio Dignitas comemora a sua quinta edição foram submetidas a análise do júri 34 peças jornalísticas. Um número que revela a importância da promoção da dignidade das pessoas com deficiência e motivo de orgulho para as entidades parceiras da Associação Portuguesa de Deficientes e do Prémio Dignitas.

O Prémio Dignitas é um Prémio anual, atribuído a jornalistas autores dos melhores trabalhos sobre deficiência publicados no ano anterior, em qualquer meio de Comunicação Social da Imprensa, Rádio, Televisão ou Internet.

 O Júri da 5ª edição do Prémio Dignitas é constituído por:

Humberto Santos - Associação Portuguesa de Deficientes
Anabela Lopes - Escola Superior de Comunicação Social
Luís Sottomaior Braga - Amnistia Internacional

Personalidades designadas:
Paulo Neves – Professor no ISPA
David Rodrigues – Presidente da Direção da Associação Pró Inclusão

A entrega dos Prémios Dignitas 2012 decorreu esta manhã, no Auditório da Fundação Vieira da Silva, tendo contado com a presença do Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, Exmo. Senhor Dr. Marco António Costa.

Para mais informações contacte:

Lift Consulting – 21 466 65 00

Anabela Pereira – Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar / 93 628 28 63

 

Revista Plural & Singular