Desfile de 25 de Abril de 2017

 

A Associação Portuguesa de Deficientes, com o patrocínio da MSD e o apoio da Escola Superior de Comunicação Social, realizou no dia  5 de Maio de 2014, no Auditório da Fundação Vieira da Silva a 6ª edição do Prémio Dignitas.
Foram distinguidos os seguintes trabalhos publicados pela Comunicação Social durante o ano de 2013:
  Álbum do 6º ´Prémio Dignitas 2013

Prémio - Televisão e Prémio Dignitas:

“Despertares”, de Ana Leal, jornalista na TVI, é uma reportagem que retrata uma nova esperança para os autistas em Portugal.
Não é uma cura, mas uma terapia que regista níveis de sucesso verdadeiramente surpreendentes. A terapia ABA foi importada dos EUA, onde está implementada há mais de 20 anos. É a única comparticipada a 100% em praticamente todos os estados.
Estudos americanos provaram que 47% das crianças incluídas neste programa, conseguiram integrar a escolaridade normal aos 5 anos de idade.
Em Portugal, fomos encontrar casos que no mínimo nos deixam a todos a refletir! Crianças e jovens de quem se já tinha desistido, e que hoje encontraram um caminho.
Conheça casos de quem conseguiu dar a volta e hoje são mesmo alunos exemplares em escolas públicas do ensino normal.
http://video.pt.msn.com/watch/video/reportagem-tvi-despertares-premiada/2956zijfu

Menção Honrosa Televisão:

"Hino ao Futebol", de Jaime Cravo, jornalista da Sport TV, aborda a história de Pedro Fernando, 14 anos, que tem feito uma viagem rara no futebol português, na companhia dos iniciados do Anadia Futebol Clube. Pedro é autista e a integração e convivência num grupo ambicioso tem fintado diariamente os sintomas que o jovem jogador apresenta, como o défice cognitivo, as dificuldades de relacionamento e comunicação. "Hino ao Futebol" é uma história surpreendente sobre a importância do futebol da vida de um jogador diferente de todos os outros, mas que está cada vez mais parecido com todos os outros. 
http://www.youtube.com/watch?v=fzVvUGgFF48

Menção Honrosa Imprensa Escrita:

" Onde estão os meus terapeutas?”, de Bruna Soares, jornalista no Diário do Alentejo aborda o tema de quatro crianças com necessidades educativas especiais (Rodrigo, Afonso, João e Alexandru) a frequentar o ensino regular. O arranque do ano lectivo sem apoios necessários à sua educação. A reivindicação dos encarregados de educação a propósito da aprovação dos planos de acção e financiamento do Ministério da Educação. A diminuição de números de horas de apoio terapêutico prestado às unidades em anos lectivos anteriores. O não colmatar da ausência de técnicos habitualmente colocados pelas escolas na unidade. Quatro crianças do Alentejo, quatro pais a reivindicar “ mais apoios para os filhos”. Quatro pais a reivindicarem os apoios que consideram que os seus filhos têm direito.
Trata-se de uma reportagem que infelizmente denuncia a forma desastrosa como se iniciou o ano lectivo por todo o país. Neste caso retrata o que se passou em Beja.
Reforça ainda a importância dos técnicos na educação destas crianças e conta o percurso de cada um e a sua evolução com o apoio dos terapeutas.
http://da.ambaal.pt/noticias/?id=4173

Prémio - Jornalismo Digital:

“Pegar a Vida”, de João Ferreira, jornalista no Correio da Manhã, descreve a batalha do forcado Nuno Carvalho, que ficou tetraplégico em 2012 quando foi colhido por um touro na Praça do Campo Pequeno, para manter a alegria de viver. Ao longo de 3 meses uma equipa de repórteres da CMTV e do Correio da Manhã, acompanhou o segundo internamento de Nuno Carvalho no Centro de Reabilitação de Alcoitão. Na reportagem é patente o esforço e a força de vontade de Nuno Carvalho para voltar a “ Pegar a Vida”, bem como o papel dos profissionais de Alcoitão na reabilitação física e psicológica de quem sofre lesões desta gravidade. O apoio incondicional dos amigos e da namorada, bem como as diversas acções de solidariedade do “ mundo dos touros” e o papel desse apoio na força anímica de Nuno também é evidenciado ao longo da reportagem. “ Pegar a Vida”, demonstra, através do exemplo de Nuno Carvalho, que todos os que sofrem lesões graves na medula podem manter a dignidade e o amor próprio e viver a vida na sua plenitude.
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/tv--media/premiada-peca-de-joao-ferreira-130646040

O Hospital”, reportagem coletiva da SIC,

distinguida com Prémio Dignitas 2012

Prémio Dignitas Imprensa escrita: “Quando os gestos falam mais alto”, de Vânia Maia, Jornal de Letras

  • Prémio Dignitas Rádio: “Driblar a Exclusão”, de Teresa Dias Mendes, TSF
  • Prémio Dignitas Jornalismo Universitário: “O Mundo das mãos”, de Mafalda Pessanha, Escola Técnica Imagem e Comunicação 

Lisboa, 3 de maio de 2013 – A peça jornalística distinguida este ano com o Prémio Dignitas é dedicada ao tema “O Hospital”, uma candidatura coletiva da SIC representada pela jornalista Ana Sofia Fonseca. Na categoria Imprensa o trabalho vencedor é de Vânia Maia, jornalista no Jornal de Letras e é sobre “Quando os gestos falam mais alto”. Em Rádio a peça eleita pelo júri do Prémio Dignitas é “Driblar a Exclusão”, da responsabilidade de Teresa Dias Mendes, jornalista na TSF. Por sua vez, na categoria Jornalismo Universitário o trabalho distinguido é de Mafalda Pessanha “O Mundo das mãos”, aluna na Escola Técnica Imagem e Comunicação (ETIC).

No ano em que o Prémio Dignitas comemora a sua quinta edição, o júri decidiu atribuir duas Menções Honrosas. Uma Menção Honrosa na categoria Imprensa Escrita ao artigo “Braile. Na biblioteca Nacional”, da autoria de Joana Azevedo Viana, jornalista no Jornal I, e uma Menção Honrosa na categoria Televisão à reportagem “Caso de Discriminação com Deficiente”, de Susana Piteira André, jornalista na Sic.

“O Hospital”, de Ana Sofia Fonseca retrata uma viagem ao dia-a-dia do Centro de Reabilitação de Alcoitão, o hospital onde os doentes são utentes. Homens, mulheres, a esperança numa segunda vida. A batalha da igualdade. Testemunhos que quebram a distância entre esta realidade e o mundo cá fora. Para que ninguém feche os olhos.
Link: http://sicnoticias.sapo.pt/programas/omeupequenomundo/article1266396.ece 

“Quando os gestos falam mais alto”, de Vânia Maia, descreve os alunos surdos e ouvintes da Escola Básica Integrada da Quinta de Marrocos, em Benfica, que resolveram contar histórias por escrito e em língua gestual. Um desafio que os colocou no lugar do outro e esbateu as fronteiras do silêncio que separavam os dois lados da turma, ouvintes e surdos. O projeto motivacional da professora Isabel Amaral, que ensina Língua Portuguesa em Língua Gestual, resultou na edição de um livro feito por toda a turma.

“Driblar a Exclusão”, de Teresa Dias Mendes dá a conhecer a mais jovem equipa de basquetebol da Académica de Coimbra. A ideia partiu de um médico cardiologista, Dr. Lino Gonçalves, também responsável pela secção de basquetebol do clube. Habituado a acompanhar crianças com Trissomia 21, Lino Gonçalves propôs à Associação Olhar 21 que as crianças jogassem basquetebol, tentando ajudá-las a “driblar” a exclusão. Ao ritmo de cada uma, mas sem nunca dizer que não és capaz. A reportagem foi construída em torno de Carolina (18 anos) e Miguel (13 anos), ambos os mais velhos de três irmãos. Um ano depois de iniciado o projeto, a reportagem foi para o ar na TSF.
Link: http://www.tsf.pt/Programas/programa.aspx?content_id=917979&audio_id=2609177

“O Mundo das mãos” aborda a exclusão social, os obstáculos físicos, as barreiras culturais e o preconceito e a vergonha das cerca de 150 mil pessoas com deficiência visual que vivem em Portugal. “O Mundo das mãos” é um trabalho de Mafalda Pessanha feito no âmbito do Projeto Final de Rádio – Grande Reportagem Rádio, a cargo da Professora Ana Catarina Santos, na instituição de ensino ETIC, e cuja nota atribuída foi de 16 valores.

O trabalho icon Braille Na Biblioteca Nacional”, da autoria de Joana Azevedo Viana, distinguido com uma Menção Honrosa na categoria Imprensa Escrita fala sobre uma voluntária do Departamento de Cegos e Amblíopes da Biblioteca Nacional em Lisboa, que ajuda a produzir livros áudio para a população portuguesa com deficiência visual, sobre o custo e a importância do braille e, sobretudo, sobre o que é ser cego em Portugal. Este é o resultado de inúmeras conversas com Carlos Ferreira, cego de nascença e Diretor desse departamento. l

“Caso de Discriminação com Deficiente”, de Susana Piteira André foi também distinguida com uma Menção Honrosa na categoria Televisão. A reportagem retrata Daniel Santos, de 44 anos, portador de paralisia cerebral. A doença atingiu-lhe a mobilidade e a fala, mas poupou-lhe o pensamento e a memória, vive sozinho, mas é presença habitual em colóquios e conferências. Em janeiro de 2012, na sequência de um assalto, Daniel apresentou queixa e recebeu uma carta que o indignou. O Ministério Público comunicou-lhe que o processo tinha sido arquivado porque ele não tinha comparecido a fim de identificar a suspeita. A missiva surpreendeu-o uma vez que ninguém o tinha contactado para prestar declarações. Mas a carta continha uma incorreção ainda mais grave: dizia que a PSP o tinha referenciado como tendo “problemas psíquicos”. Daniel Santos sentiu-se descriminado e contestou a decisão. “A pessoa que me assaltou roubou-me 40 euros, mas eu acho que o ladrão me roubou menos do que a polícia. O tribunal tentou roubar-me a dignidade”.

 O Prémio Dignitas distingue os melhores trabalhos jornalísticos publicados ou difundidos nos órgãos de comunicação social portugueses, realizados por profissionais da comunicação social, subordinados ao tema da deficiência e que promovam a dignidade das pessoas com deficiência, os seus direitos humanos e a sua inclusão social.

 No ano em que o Prémio Dignitas comemora a sua quinta edição foram submetidas a análise do júri 34 peças jornalísticas. Um número que revela a importância da promoção da dignidade das pessoas com deficiência e motivo de orgulho para as entidades parceiras da Associação Portuguesa de Deficientes e do Prémio Dignitas.

Prémio Dignitas é um Prémio anual, atribuído a jornalistas autores dos melhores trabalhos sobre deficiência publicados no ano anterior, em qualquer meio de Comunicação Social da Imprensa, Rádio, Televisão ou Internet.

 O Júri da 5ª edição do Prémio Dignitas é constituído por:

Humberto Santos - Associação Portuguesa de Deficientes
Anabela Lopes - Escola Superior de Comunicação Social
Luís Sottomaior Braga - Amnistia Internacional

Personalidades designadas: 
Paulo Neves – Professor no ISPA
David Rodrigues – Presidente da Direção da Associação Pró Inclusão

A entrega dos Prémios Dignitas 2012 decorreu esta manhã, no Auditório da Fundação Vieira da Silva, tendo contado com a presença do Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, Exmo. Senhor Dr. Marco António Costa.

Para mais informações contacte:

Lift Consulting – 21 466 65 00

Anabela Pereira – Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. / 93 628 28 63

Associação Portuguesa de Deficientes, com o patrocínio da MSD e o apoio da Escola Superior de Comunicação Social, realizou no  dia  29 de Fevereiro de 2012, na biblioteca da ESCSL  a   4ª edição do Prémio Dignitas.
Foram distinguidos os seguintes trabalhos publicados pela Comunicação Social no ano de 2011:

Prémio - Televisão e Prémio Dignitas: 
As asas do desejo” da jornalista TVI - Alexandra Borges.
Link: http://www.youtube.com/watch?v=3R6uSIvy_V0
A reportagem retrata o tema da sexualidade na deficiência e salienta um dos direitos fundamentais da pessoa com deficiência que, muitas vezes, é pura e simplesmente ignorado. Os pais são os primeiros a olhar os filhos como seres assexuados mas, no geral, também é assim que a sociedade os olha. Mas a verdade é que as pessoas com deficiência têm desejo como qualquer ser humano e, muitas vezes, dificuldade em satisfazê-lo por causa da sua condição física ou de estarem dependentes de terceiros para o fazer. “As asas do desejo” é um testemunho na primeira pessoa sobre a sexualidade na deficiência.

Menção honrosa:
Abraçar a vida – o exemplo de Pedro Guerra”, do jornalista RTP - Roger Mor.
Fala-nos de Pedro Guerra, a quem, aos 16 anos, uma electrocussão roubou os dois braços, facto que, longe de constituir um ponto final, foi assumido como ponto de partida. A deficiência fê-lo voltar à escola, apostar na formação, envolver-se no desporto e, acima de tudo, mudar a mentalidade de todos os que se cruzam com ele. A reportagem apresenta o relato na primeira pessoa.

Prémio - Imprensa escrita
Surdos & Actores” da jornalista - Sara Sá e fotografias de David Clifford.
Conta-nos a história de inclusão pela arte. Pegando no filme realizado pelo cineasta Borges Correia sobre e com surdos, a Visão fez a reportagem no local das filmagens.

Prémio - Rádio:
Vermelho da cor do céu”, da jornalista da TSF -
Ana Catarina Santos em co-autoria com Luís Borges.
Link: http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1855975
É um trabalho acerca das pessoas com uma deficiência congénita: a cegueira. O modo como vêem o mundo, sem nunca o terem visto com os olhos: a sua vida, os seus anseios, desejos, sonhos, dificuldades, discriminações, dores, violações, direitos, realizações, desabafos, gemidos, gritos, imagens, cores, gestos, vontades, confissões, segredos, apelos, alertas… Um mundo tantas vezes incompreensível e incompreendido por quem vê, relatado na primeira pessoa.

Menção honrosa:
Cercimac – um exemplo de (d)eficiência e integração social
do jornalista Miguel Midões da Rádio Onda Livre Macedense. 
Relata-nos  como a CERCI de Macedo de Cavaleiros luta diariamente contra a indiferença e como a inclusão dos seus utentes na vida activa é o seu grande objectivo, com casos pontuais de sucesso.

Prémio - Jornalismo Universitário:
Beats fortes  num corpo fraco” ao estudante João Dias da ESCSL. 
Apresenta-nos Leandro Oliveira, mais conhecido por Myslo, rapper e produtor de Hip-Hop e música electrónica. Vive em Lisboa, no bairro social da Bela Flor. Ouve hip-hop desde criança e aos 14 anos pegou no microfone. De calças largas e descaídas, usa piercings e fala o típico calão rapper. Actualmente com 21 anos, é um produtor com cartas a dar no mercado. Uma história parecida com tantas outras, mas diferente.

Associação Portuguesa de Deficientes, com o patrocínio da Merck e o apoio da Escola Superior de Comunicação Social, procedeu no  dia 2 de Abril de 2011, à entrega do Prémio Dignitas 2010, 3ª Edição que, distinguiu os seguintes trabalhos publicados em 2010 na Comunicação Social:

Prémio Televisão e Prémio Dignitas
Reporter TVI "Asas de Ferro" da jornalista Ana Leal

Menção honrosa:
“Vidas Contadas”   da jornalista Judite de Sousa, RTP.
 

Imprensa escrita
  Sorri Ratinho  - A luta minuto a minuto pela vida - da jornalista Cláudia
Pinto, publicada na Revista Mãe Ideal / Dezembro de 2010

Rádio:
“Olhar Positivo Sobre A Deficiência” BOCCIA do Sporting Clube de Braga
da jornalista Joana Russo Belo,
difundido na Rádio Antena do Minho a 25 de Junho 2010
Link:
http://www.antena-minho.pt/podcast.php?p=1317

Prémio Dignitas 2010 - 3ª Edição

A Associação Portuguesa de Deficientes, com o patrocínio da Merck e o apoio da Escola Superior de Comunicação Social, procedeu ontem, dia 21 de Fevereiro de 2010, Dia Internacional da Língua Materna, à entrega do Prémio Dignitas, que distinguiu os seguintes trabalhos publicados em 2009 na Comunicação Social:

Prémio Rádio e Prémio Dignitas
“O silêncio dos dias” da jornalista  Maria Augusta Casaca transmitido na TSF  
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1498190
Menção honrosa:
“O amor não é cego” da jornalista Mónica Baltasar transmitido no Rádio Clube Português

Imprensa escrita
Prémio: “Aprender a ver uma nova vida” do jornalista Daniel Lam publicado no Diário de Notícias 
http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1139543

Menções honrosas:
“Crianças diferentes – acabar com a discriminação” da jornalista Cláudia Pintopublicado na Revista Mãe Ideal 
“Ensaio sobre a cegueira” da jornalista Liliana Garcia publicado na Revista Nós do Jornal I

Televisão:

Prémio: “A tinta dos afectos” do jornalista Pedro Benevides transmitido na RTP  

Menções honrosas:
“Lutador nato” do jornalista Jaime Cravo transmitido na Sport TV 
“Escola de cegos” da jornalista Rita Nogueira transmitido na TVI

 

 

 

 

RGPD - Regulamento Geral de Proteção de Dados

 

De acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, os dados recebidos através das páginas web, serão processados informaticamente e a sua utilização destina-se exclusivamente para uso interno para responder às questões e formalizar diligências junto das entidades responsáveis. O utilizador deve ter conhecimento de que os dados inscritos irão circular numa rede aberta até ao seu registo na Base de Dados, podendo ser intercetados por terceiros. Aos utilizadores é garantido o acesso aos dados para eventual correção ou eliminação. 

A Associação Portuguesa de Deficientes não fornecerá os dados pessoais a entidades terceiras, e só em situações de necessidade de identificação para resolução das suas questões, haverá uma comunicação prévia solicitando a sua autorização para fornecer os seus dados a entidades terceiras, nomeadamente Câmaras, Hospitais, e Instituições Públicas, pelo que, a sua utilização pressupõe o conhecimento e aceitação destas condições.

 

Poderá consultar mais informações sobre o Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016 e a sua aplicação em https://www.cnpd.pt/bin/rgpd/rgpd.htm 

 

Saiba mais sobre a nossa política de privacidade aqui.