Desfile de 25 de Abril de 2017

 

 

A LisbonPH é uma entidade formadora com uma vertente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade fortemente enraizada na sua cultura corporativa, havendo uma falta de formação dos Profissionais de Saúde em Língua Gestual Portuguesa, vem por este meio apresentar um curso e-Learning ''Língua Gestual Portuguesa: Dar Voz ao Utente Surdo''.

O curso e-Learning tem um valor de inscrição simbólico que reverte a favor da causa solidária ainda por definir.

Qualquer pessoa pode realizar o curso da LisbonPH: Língua Gestual Portuguesa: Dá voz ao utente surdo, é realizado online, na plataforma da LisbonPH, podendo os seus participantes aceder a partir de onde lhes for mais conveniente.

O curso possui 3 módulos ("Entender a Realidade do Utente Surdo"; "Como comunicar através da Língua Gestual Portuguesa", "Aconselhamento e Dispensa do Utente Surdo") e tem a duração de 15 horas.  No final de cada módulo existe um teste de forma a consolidar conhecimentos e de forma a preparar para um teste de avaliação final efetuado no final dos 3 módulos.

A classificação obtida no teste de avaliação final, terá de ser acima de 50% para obter aprovação no curso e o seu respectivo certificado.

Neste âmbito, a LisbonPH traz até si o curso e-Learning “Língua Gestual Portuguesa: Dar Voz ao Utente Surdo”, através do qual pode aprender mais sobre as particularidades desta língua e como comunicar com esta comunidade em contexto de saúde. 


Inscrições através do link: https://bit.ly/2VfvvsQ

 

O curso estará disponível até Setembro de 2021.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RGPD - Regulamento Geral de Proteção de Dados

 

De acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, os dados recebidos através das páginas web, serão processados informaticamente e a sua utilização destina-se exclusivamente para uso interno para responder às questões e formalizar diligências junto das entidades responsáveis. O utilizador deve ter conhecimento de que os dados inscritos irão circular numa rede aberta até ao seu registo na Base de Dados, podendo ser intercetados por terceiros. Aos utilizadores é garantido o acesso aos dados para eventual correção ou eliminação. 

A Associação Portuguesa de Deficientes não fornecerá os dados pessoais a entidades terceiras, e só em situações de necessidade de identificação para resolução das suas questões, haverá uma comunicação prévia solicitando a sua autorização para fornecer os seus dados a entidades terceiras, nomeadamente Câmaras, Hospitais, e Instituições Públicas, pelo que, a sua utilização pressupõe o conhecimento e aceitação destas condições.

 

Poderá consultar mais informações sobre o Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016 e a sua aplicação em https://www.cnpd.pt/bin/rgpd/rgpd.htm 

 

Saiba mais sobre a nossa política de privacidade aqui.