Desfile de 25 de Abril de 2017

 

João Amante é estudante do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Em conjunto com o colega Vitor Lobo, estudante do Mestrado em Engenharia Informática na mesma instituição,  e o professor Hugo Ferreira, começaram a estruturar um projeto que visa a integração de sinais fisiológicos (ritmo cardíaco, ondas cerebrais, etc) em videojogos. Começaram, em Janeiro de 2021, a ser  apoiados pelo programa StartUp Voucher do IAPMEI e pelo Tec Labs (incubadora da Universidade de Lisboa) para desenvolver a nossa ideia e estão neste momento numa fase de exploração do mercado. 

Estão convictos de que esta tecnologia tem o potencial para quebrar barreiras no acesso aos videojogos, como complemento ou eventualmente total substituição dos métodos atualmente usados para o efeito. Apesar das suas convicções, acreditam que o processo de desenvolvimento de qualquer produto deve focar as necessidades do utilizador acima de tudo, o que os levou a procurar saber mais sobre os desafios encontrados por este segmento da população. Para esse efeito criaram um questionário que visa recolher informações sobre as barreiras encontradas por estes jogadores, a eficácia das soluções por eles usadas, e possíveis melhorias das mesmas.

Acesso ao inquérito desenvolvidohttps://forms.gle/BFKyachn7kgujZZq6

 

 

 

 

 

 

 

RGPD - Regulamento Geral de Proteção de Dados

 

De acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, os dados recebidos através das páginas web, serão processados informaticamente e a sua utilização destina-se exclusivamente para uso interno para responder às questões e formalizar diligências junto das entidades responsáveis. O utilizador deve ter conhecimento de que os dados inscritos irão circular numa rede aberta até ao seu registo na Base de Dados, podendo ser intercetados por terceiros. Aos utilizadores é garantido o acesso aos dados para eventual correção ou eliminação. 

A Associação Portuguesa de Deficientes não fornecerá os dados pessoais a entidades terceiras, e só em situações de necessidade de identificação para resolução das suas questões, haverá uma comunicação prévia solicitando a sua autorização para fornecer os seus dados a entidades terceiras, nomeadamente Câmaras, Hospitais, e Instituições Públicas, pelo que, a sua utilização pressupõe o conhecimento e aceitação destas condições.

 

Poderá consultar mais informações sobre o Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016 e a sua aplicação em https://www.cnpd.pt/bin/rgpd/rgpd.htm 

 

Saiba mais sobre a nossa política de privacidade aqui.